Exposies

Hornitos

DE 13/10/2015 - 14/11/2015 A

 

Hornitos

Gabriel Zimbardi (2015)

Entre agosto e outubro de 2014, Cadu residiu por dois meses em Hornitos, no Chile. A imersão solitária foi viabilizada através de um convite da Plataforma Atacama, projeto independente que visa o desenvolvimento de iniciativas artísticas e culturais em diferentes partes do Chile, tomando como ponto de partida o Deserto do Atacama.

Durante a residência, Cadu desenvolveu trabalhos que ecoam este período de reclusão e reflexão, debruçando-se sobre discussões que envolvem os relacionamentos entre homem e natureza, solidão e criatividade, sistemas e passagem do tempo.

Hornitos é uma praia localizada entre o Oceano Pacífico e o deserto. A presença permanente e agressiva do sol como o mediador de todos os ciclos da região, foi utilizada como ponto de partida para a construção de duas obras presentes na individual. Em Hemisférios, de 2014, Cadu apresenta 168 folhas de papel vegetal que sofreram queimaduras resultantes de exposições à luz do sol em suas superfícies. Para a elaboração dessa obra, o artista desenvolveu um suporte em que uma lupa era fixada sobre um bloco de folhas de papel vegetal. Os raios solares, potencializados pela lupa, rasgavam seu percurso sobre o bloco. Assim, cada folha de papel vegetal simboliza uma hora desse percurso, e o conjunto completo representa o testemunho gráfico da passagem de uma semana em Hornitos, tanto extensivamente como intensivamente, já que as 24 folhas de cada bloco foram queimadas de modo proporcional à temperatura e intensidade da luz de cada dia.

O mesmo artifício construído para Hemisférios foi utilizado na elaboração de uma sequência de fotografias titulada Trópico de Capricórnio, 2014. O políptico deixa evidente o registro da passagem e da mudança da posição do sol feito sobre uma caixa de areia negra, trinta dias antes do início da primavera.

Os dois trabalhos, apresentados juntos, articulam uma noção de temporalidade ao mesmo tempo alargada e dinâmica da indômita região do Atacama.

O clima atacamenho também é investigado na série Wind Line, de 2014. Em parceria com o artista e designer Marcos Kotlhar, Cadu concebeu uma estrutura que sistematiza leituras do comportamento do vento em forma de desenhos. No aparato, dados colhidos por um anemômetro são interpretados por um software de leitura, que utilizando a velocidade como vetor de deslocamento e a direção dos pontos cardiais como coordenadas, produz comandos que movem uma caneta presa a um suporte numa área de desenho. A duração de cada desenho depende do tipo de investigação gráfica que se pretende observar, podendo estender-se por um período de poucas horas até meses. O que se vê é o registro da volatilidade do comportamento do vento em uma mesma região – mais uma vez um sistema que mira compreender a inconstância da região.

Como em Wind Line, o vento está presente no vídeo Psicopompo. Colaborando com jovens estudantes chilenos, Cadu instalou em uma encosta um conjunto de bandeiras brancas que dançam a mercê de golfadas de ar. O título do vídeo faz referência à palavra grega ‘psychopompós’, junção de ‘psyché’ (alma) e ‘pompós’ (guia). O termo designa um ente cuja função é conduzir a percepção humana em ocasiões de iniciação ou transição. Na mitologia grega, essa função é atribuída a Hermes.

Cadu também registra a sua passagem por Hornitos com um diário e uma série de esculturas. O diário, agora editado em formato de livro de bolso, narra eventos ocorridos durante a residência e intercala situações domésticas e comentários relacionados à criação das obras que surgiram a partir do contexto local. O livro, batizado de Hornitos, fica disponível para ser levado para casa por quem visita a exposição.

As esculturas da série Sambaqui foram produzidas com cascos de caranguejos encontrados e que sofreram a impressão de padrões geométricos através da ação de ácidos. São intervenções lentas e gráficas em suas superfícies que registram o tempo do artista, enquanto ele registrava o tempo de Hornitos.

*Cadu agradece a Plataforma Atacama e a Alexia Tala.