Exposies

Rosângela Rennó - Menos-valia (leilão)

DE 23/01/2013 - 16/02/2013 A

 

Várias são as razões que levam os objetos ao abandono: o excesso de uso e desgaste, a obsolescência natural ou programada, um desaparecimento involuntário ou a simples perda de interesse do proprietário em possui-los. Entretanto, o que os leva de volta ao mercado, através das feiras de artigos de segunda mão, é a certeza de que algum valor, mesmo que improvável, possa lhes ser atribuído, sempre.

Os 73 objetos que constituem o projeto Menos-valia [leilão], encontrados e adquiridos por Rosângela Rennó em diversas feiras de artigos usados, foram apresentados originalmente na 29ª Bienal de São Paulo, em 2010. A atual exposição na Vermelho inclui um conjunto de 15 desses objetos e conta ainda com o lançamento do livro Menos-valia [leilão], e com uma conversa entre a artista, o crítico de arte Cuahtémoc Medina e Moacir dos Anjos, um dos curadores da 29ª Bienal de São Paulo.

Antes de serem inseridos na esfera institucional da arte atual, esses objetos foram selecionados, recompostos, transformados e recontextualizados por Rennó, passando por sucessivas agregações de valor material e simbólico. Finalmente, no dia 9 de dezembro de 2010, o conjunto dos 73 lotes foram leiloados por Aloísio Cravo dentro da próprio pavilhão da Bienal.

No campo das ideias, este projeto deve ser compreendido como exemplo de “recuperacionismo ativo de transformação” – devidamente ancorado na Ruinologia –, pratica já bastante consolidada nos territórios da ética e da estética contemporânea.

Como parte da exposição, ocorrerá, no dia 02 de fevereiro, o lançamento do livro Menos-valia [leilão], editado pela CosacNaify em duas versões: uma comercial e outra assinada e numerada, acondicionada em caixa, contendo discos de vinil compactos, com 24 minutos da gravação do som do leilão. O livro foi integralmente financiado com a verba levantada com a venda dos 73 lotes. Bilingue, ele conta com textos de Rosângela Rennó, do curador da 29ª Bienal de São Paulo, Moacir dos Anjos, da urbanista e professora adjunta da Universidade Federal Fluminense, Lucia Capanema Alvares, da pesquisadora e professora da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, Maria Angélica Melendi, e do crítico de arte, curador e historiador Cuauhtémoc Medina.