Exposies

Ana Maria Tavares - Desviantes

DE 06/09/2011 - 01/10/2011 A

 

(2011)

A individual “Desviantes” apresenta os quatro primeiros trabalhos da nova série de Ana Maria Tavares intitulada “Hieróglifos Sociais”. Resultado da pesquisa desenvolvida Pela artista, desde 1997, a série propõe uma reflexão crítica acerca do legado modernista brasileiro a partir da releitura da arquitetura da OCA (Parque do Ibirapuera, SP, 1951), de Oscar Niemeyer (1907). Com esse procedimento, Tavares cria um universo desviante, contaminado, ao mesmo tempo em que simula oferecer a possibilidade de retomada à ordem racional, plantada na idealização do mundo modernista

Construídos em alumínio, aço inox, teflon e desenhos digitais, os quatro painéis metálicos que ocupam a sala 1 da Vermelho, formam cortes horizontais de paisagens aterradas no solo, aludindo à arquitetura moderna, modeladora de um novo entendimento de mundo que se dá a partir de prerrogativas políticas e sociais de seu tempo. Uma vez contaminada por manipulações digitais que faz uso de rebatimentos especulares múltiplos – artifícios visuais criados no processo de alteração do projeto original da OCA – essa arquitetura se faz desviante e cede lugar a uma visão de mundo em abismo. As peças são estruturadas como painéis modulares e deslizantes, sobrepostos um ao outro, num ritmo que permite construir e desconstruir novas paisagens somando-se ao rebatimento quase caleidoscópico do espaço circundante que se projeta nas superfícies polidas do inox, negro ou prata. Enquanto as imagens se expandem no interior de painéis fixos são também aprisionadas num jogo sensual de velar e revelar, onde a paisagem se torna refém da obra e, ao mesmo tempo, sua salvação.

Para o título das peças foram escolhidos nomes de motéis cariocas, como Calypso, Comodoro, Pallazo e Royal que apontam para a condição daquilo que pertence a um universo paralelo em desvio, a obra se constrói a partir de sutis paradoxos onde a razão modernista se vê contaminada das coisas mundanas, do desvio à ordem vigente e do possível prazer que resulta desses procedimentos.