Verbo
Verbo
Foto Edouard Fraipont

BAILE PROS 111
2019
111’
Criação Kauê Garcia
Baile pros 111 é uma instalação sonora com participação do público que homenageia os 111 detentos assassinados pela PM do Estado de São Paulo, em 1992, na chacina que ficou conhecida como Massacre do Carandiru. Como decorrência dessa ação violenta, surge em 1993 o PCC, que na época buscava “combater a opressão dentro do sistema prisional paulista”, e “vingar os 111 presos”. Alguns anos depois, aparece em São Paulo o fenômeno cultural do funk “proibidão” com letras que denunciam injustiças sofridas nas periferias e nas penitenciárias. Baile pros 111 é um memorial sonoro de resistência que recorre a esses “proibidões” para construir um set que é interrompido abruptamente aos 111 minutos de duração, seguido pela reprodução sonora do estampido de 111 tiros para que esses 111 homens não sejam esquecidos.

Sobre o artista:
Graduado em Artes Visuais pela PUC Campinas (SP). Sua pesquisa se concentra na ressignificação de símbolos culturais. Busca matéria para seus trabalhos em sons, imagens, jogos, relações, hábitos e memórias. A subversão sugere leituras não convencionais ao que é de conhecimento popular, com a inserção de novos conteúdos sociais, políticos, poéticos, estéticos e críticos.