Exposies

Arquitetura da insônia

DE 18/04/2017 - 20/05/2017 A

 

(2017)

Nicolás Robbio parte da conspiratória teoria do “Homem do guarda-chuva” para articular a impossibilidade de uma compreensão total da realidade através da razão. Sua 8ª individual na Vermelho, Arquitetura da insônia, fica em cartaz de 18 de abril a 20 de maio de 2017.

Em 22 de novembro de 1963, John F. Kennedy, o 35º presidente dos Estados Unidos, foi morto a tiros em Dallas, Texas, enquanto viajava em um carro aberto, em carreata. Muitas teorias de conspiração postulam que o assassinato envolveu diferentes pessoas ou organizações, para além de Lee Harvey Oswald – acusado do crime e posteriormente assassinado durante um transito entre prisões. A maioria das teorias falava de conspirações envolvendo partidos tão variados como a CIA, a máfia, o Vice-Presidente Johnson, o Presidente cubano Fidel Castro, a KGB, ou alguma combinação dessas entidades. Tiros de bala em curva e mecanismos de disparo de tranquilizantes embutidos em um guarda-chuva foram objetos de discussão durante muito tempo. É exatamente esse “mito” conspiratório que abre a nova exposição individual de Nicolás Robbio, titulada Arquitetura da insônia.

O "homem do guarda-chuva" é um nome dado a uma figura que aparece em vários filmes e fotografias durante o assassinato de John F. Kennedy. Além de ser a única pessoa portando um guarda-chuva naquele dia ensolarado, o homem do guarda-chuva parece abrir ou oscilar o objeto em direção à cabeça do então presidente conforme seu carro passava. Alguns dizem que seus movimentos teriam servido como sinalização para um disparo; outros dizem que haveria dentro do guarda-chuva um mecanismo capaz de disparar um dardo tranquilizante que teria imobilizado a vitima a fim de que se tornasse um alvo mais fácil para o atirador. Mais tarde, o homem que portava o guarda-chuva se apresentou e afirmou que o objeto teria servido meramente como um protesto pela participação da família Kennedy em um episódio de apaziguamento entre os ingleses e Adolf Hitler antes da Segunda guerra Mundial – o acessório era uma marca do então primeiro Ministro Inglês, Neville Chamberlain. Na videoinstalação A engraçada relação da conspiração, Nicolás Robbio parte da conspiratória teoria do Homem do guarda-chuva para articular a impossibilidade de uma compreensão total da realidade através da razão. Diagramas e estudos feitos em cima das imagens de registro do atentado criam desvios e bifurcações na investigação do mito.

A instalação Monumentos para um conto de SP e outros, é igualmente composta por partes dúbias da história. Robbio parte de monumentos instalados pela cidade de São Paulo que têm em sua origem possíveis problemas éticos ou deformações históricas, como a passagem dos bandeirantes pela cidade, por exemplo. O artista cria estandartes para cada um dos monumentos e os vira do avesso, exibindo a precária estrutura de varas de madeira e papelão usadas em sua construção, como um comentário sobre a história que os cerca.

Robbio escureceu todo o segundo andar da galeria para a exibição de seu novo vídeo Lâmpadas. De um fundo negro, pululam imagens de lâmpadas tubulares que mal iluminam a sala de exposição e, em pouco tempo, cada uma das lâmpadas é alvejada por um tiro de espingarda, como se a luz, ou o conhecimento, fosse algo fugaz.